Posts Tagged ‘champagne’

VISITA À CHAMPAGNE

07/05/2011

Existem muitos espumantes, mas pouco podem ser Champagnes.

Uma visita a Champagne, a terra dos mais famoso dos espumantes.

Champagne é uma região no noroeste da França, que apesar de produzir vinhos tranquilos (não espumantes), é famosa por ser o berço do vinho espumante de mesmo nome.

As grandes vinícolas encontram-se em Epernay (capital) e Reims. Reims possui muitas curiosidades, e umas delas é abrigar a Catedral de Notre-Dame de Reims, local de coroação de vários reis franceses, construída em 1225.

A região, como um todo, foi povoada por romanos ainda no século VI D.C.. Os romanos cavaram vários poços, para obter argila necessária para suas construções.

A saída dos romanos deixou vários legados, mas nenhum tão curioso quanto os poços de argila, abertos, profundos e abandonados. Estamos falando de poços de 30 metros de profundidade, e em grande quantidade.

Os franceses logo perceberam, que estes locais eram propícios para armazenarem seus champagnes, dado que a grande profundidade mantinha a temperatura ali embaixo, constante o ano todo, em torno de 10 graus, o que é perfeito para armazenagem de vinhos.

A partir daí, muito produtores passaram a cavar túneis interligando os diversos poços, construindo verdadeiras “cidades”.

Para se ter uma ideia, para se alcançar os túneis da casa Pommery, uma das mais tradicionais de Champagne, usa-se uma escadaria de exatos 116 degraus.

Lá em baixo existe um verdadeiro mundo de garrafas armazenadas e sendo transportadas de um lado para o outro.

Existem inúmeras casas que agendam visitas guiadas. Como dica, sugiro a Pommery, que apesar de não constar em seu site, possui uma guia que fala português, chamada Rita. No site não encontrará essa informação, mas basta ligar ou enviar um e-mail, e pedir a visitação com a guia Rita, uma portuguesa muito educada e que sabe tudo de Champagne.

Não teria graça alguma uma visita, sem degustar o precioso nectar. Na região encontram-se champagnes de todas as marcas, grandes ou pequenas.

Deixo a dica do Pommery Millésime 2002, um champagne brilhante, com aromas tostados e evoluídos. Na boca uma cremosidade impressionante e uma persistência de deixar saudade. Sinceramente, deixou um Dom Perignon no chinelo. Ainda assim vale a pena experimentar outras opções.

DESVENTURAS RUMO À CHAMPAGNE

02/09/2010

Não é de hoje que as casas produtoras, do mais admirado espumante do mundo, o Champagne, fascinam a todos.

Desde a época quase poética, quando Madame Clicquot ainda era casada e não viúva, quando a Chandon era apreciada e sorvida aos borbotões por Napoleão e Dercy Gonçalves era viva e virgem, até hoje, as casas de Champagne criaram e souberam manter uma áurea de glamour e elitismo.

Infelizmente, ás vezes, o que era para ser glamour, diferencial, transmuta-se em soberba.

Montando um roteiro para uma viagem à França, este simplório blogueiro achou interessante incluir no mesmo uma visita a alguma ou algumas casas de Champagne.

Bem, e-mail pra lá, e- mail pra cá, mais um mix de dicas de amigos, este decide incluir uma renomada e exclusiva casa (sem citar o nome). Obs:  Não é a Clicqot, nem a Chandon.

Aqui começam as desventuras. Recebida informação de que tal casa não recebe turistas que simplesmente batem à sua porta, fora preparado um cordial e-mail, solicitando uma visitação às instalações, e se possível aos vinhedos.

Com ajuda de amigos, já que este infeliz não domina a língua de Molière, foi redigido o pedido. Agora era só esperar pela resposta e tudo estaria resolvido.

Simples assim.

Belo dia. Uma resposta da na caixa de e-mails. Nossa quanta presteza. E esse povo dizendo por aí que francês é arrogante e coisa e tal. Quanta injustiça.

Aberto e lido o e-mail, a bomba. Era algo, não literalmente, mas mais ou menos assim: “Sr. Se deseja alguma informação, que seja escrito em linguagem inteligível. A língua francesa não é para ser ultrajada. Escreva em uma língua que conheça “. Que tapa na cara.

E agora, estava ruim o texto? Bato nos meus amigos? Processo a Google pelo seu Google tradutor? Não, resolvi escrever na língua de Shakespeare, nesta saberia expressar-me corretamente. Língua quase universal, esta sim ajudar-me-ia.

Dito e feito. Lá foi outro e-mail. Agora era só aguardar. Já me via dentro da vinícola, conversando, quem sabe, com um enólogo da casa.

O tempo passava, passava, mas a fé não esmorecia. Um dia: plim! Mensagem. Ahaa, devem ser notícias alvissareiras. Agora eu conseguira, pensei.

Que tolinho. Aberto o e-mail, ao invés de um simples tapa na cara, veio um soco, nos córneos e no estômago.

O missivista avisava que, quando explicitou uma língua que conhecesse, refería-se a uma língua culta e não bárbara. Acho que ofendi a biba!

Diabos! Por que esse filhote de Asterix não avisou logo, que só servia francês.

Pronto. O meu francês não servia, não servia, qualquer, inglês. Como solicitaria uma visita? Será que a Carla Bruni intercederia?

Só me restava o português, mas como reagiria o missivista franco? Talvez para ele o português nem seja uma língua, mas sim um mero dialeto falado do outro lado do atlântico e, alí, no norte da África (Portugal).

Não tentei. Tive medo de a resposta vir junto a um golpe se Savate ou quem sabe ele tentaria fazer uma sabragem na minha cabeça. Não quis mais ofender, nem tomar o preciso tempo do francês.

SABRAGEM

16/07/2010

Na vitória é merecido, na derrota necessário” Napoleão Bonaparte, acerca do Champagne

A sabragem, do francês sabrage, é o ato de abrir uma garrafa de vinho espumante utilizando-se de um sabre, para degolar a parte superior da mesma.

A técnica, se não inventada por Napoleão, foi por este imortalizada.

Reza a lenda, que Napoleão, grande apreciador de Champagne, ao ser presenteado com algumas garrafas, por Madame Clicquot (a Viúva Cliqcuot), e ainda montado em seu lendário cavalo branco (na verdade uma égua, de nome Marengo), não tinha como segurar a taça, a garrafa e ainda abrí-la.

A solução teria sido jogar a taça ao chão, sacar seu sabre de guerra com uma mão, enquanto com a outra a garrafa era segura, e num golpe rápido e seco, extirpar a parte de cima da mesma, fazendo verter o precioso líquido.

Verdade ou não, a técnica varou os anos e ainda hoje é utilizada em datas festivas.

Com efeito, a técnica da sabragem não é muito recomendada, nem bem vista pelos apreciadores de espumantes em geral. Ao decepar a garrafa, a pressão interna, elevada, faz o vinho ser expelido violentamente, e com ele parte do gás que é a alma da bebida.

Assim como não se  “estoura” a rolha, por perda efetiva de gás, pelo mesmo motivo não se pratica a sabragem.

Entretanto, em momentos festivos, a brincadeira é aceitável por pura diversão. Ocorre que todo cuidado é pouco.

Além do risco, óbvio, de corte na ponta da garrafa partida, o próprio ato de sabragem é arriscado, pois o vinho está a cerca de 5 atmosferas dentro da garrafa, e em fração de segundos as mesmas se perdem. O risco de quebra, ou mesmo explosão da garrafa, existe e  deve ser levado em consideração na hora da brincadeira.

Para quem insistir, e assumir os riscos, umas dicas:

– deixe a garrafa o mais gelada possível, pois isso diminui o risco de quebra da mesma,

– desamarre a gaiola, mas a deixe na rolha. Com um pano, passe-o pela gaiola e segure sua extremidade. Quando a tampa for degolada, você não terá uma arma de vidro voando pela sua sala,

– nunca, NUNCA, aponte a garrafa na direção de outra pessoa,

– use a parte de trás da lâmina, nunca o fio,

Para finalizar, só mais um detalhe. Pode não ser tão charmoso, mas a sabragem pode perfeitamente ser feita com um facão, não sendo necessário a posse de um esnobe sabre.

Gusta_Vinho


Confraria das Águas Escondidas

Niterói - Rio de Janeiro

Vinho e Champagne Exepcionais

A sua importadora “boutique”

Saboreando

Sabores, texturas e encantos para o paladar

Alexandra Corvo

SOMMELIÈRE PROFISSIONAL - ANÁLISE INDEPENDENTE

WordPress.com

WordPress.com is the best place for your personal blog or business site.

Vinho por Marcelo Andrade

Wine is culture. Wine is pleasure!

WordPress.com em Português

Blog de Notícias da Comunidade WordPress.com

Gusta_Vinho Blog

Dicas e Curiosidades Enológicas