UM BELO ALENTEJANO

Basta uma pequena olhada no mapa de Portugal, para verificar que o Alentejo é a maior região vinícola portuguesa. Alentejo, como o nome já identifica, remete a “Além do Rio Tejo”, ou seja, uma região ao sul de Portugal, abaixo da rio que  empresta seu nome.

Com aproximadamente 31.000 km² (quase um terço de Portugal), o Alentejo, sozinho, responde por quase 10% de toda a produção vinícola lusitana.

O cultivo de uvas e a tradição vinícola remontam à época da presença romana na região, algo em torno do século 4 a.c.. Suas planícies vastas e quentes a transformaram no “celeiro” de Portugal, e foi justamente essa vocação agrícola que relegou o Alentejo ao quase ostracismo vinícola em Portugal.

Na década de 40, Salazar (ditador português) mandou remover as videiras do Alentejo, para fomentar o plantio de gêneros alimentícios, fazendo com que a região pudesse produzir alimentos para o país. Tal medida relegou a produção local (alentejana) a obscuridade, ou ao menos ,não permitiu uma completa evolução, como a dos seus irmãos do Douro.

Somente a partir dos anos 1990 é que o Alentejo passa a se modernizar, com a implementação de novas regras de plantio e vinificação. Há quem diga que esta evolução foi prejudicial, porque retirou características marcantes dos vinhos da região, tornando-os padronizados. Verdade seja dita: A padronização dos vinhos, deixando todos com a mesma cara, em obediência a um mercado que adora vinhos frutados, potentes e amadeirados, é terrível, mas isso é assunto para uma outra postagem.

Entretanto, para o Alentejo a evolução foi benéfica. Bons vinhos tornaram-se excelentes e, na maioria da vezes, fugiu-se ao execrável padrão (frutado, alcoólico, amadeirado) que Robert Parker tanto admira e os neófitos compram.

O Alentejo é celeiro de grandes vinhos, tais como o Pera Manca, Mouchão Tonel 3-4 e outros. Deixo como dica um alentejano excepcional. Se ainda não tem o mesmo respeito aqui no Brasil, que os dois citados acima, é por pura falta de conhecimento dos brasileiros. Vamos ao vinho:

– Monte da Penha Reserva – 2001 – DOC Alentejo

Vinho Alentejano, da sub região de Portalegre.

O vinho leva as castas Trincadeira (55%), Aragonês (25%), Alicante Bouschet (18%) e Moreto (2%). O mesmo estagia um ano em pipas de carvalho francês e, depois, mais 6 meses em garrafa, antes de ser posto a venda.

Possui 13% de álcool, o que é uma benção nos dias de hoje, fugindo completamente do já citado padrão  (frutado, alcoólico, amadeirado). Vinho muito equilibrado, com muito corpo e taninos totalmente arredondados. Já apresenta notas de evolução, com um marcante toque de pelica. Mutíssimo persistente, tanto no nariz, quanto na boca.

Preço médio: R$ 250,00

Recomendadíssimo.

Tags: , , ,

6 Respostas to “UM BELO ALENTEJANO”

  1. Marcelo Costa Says:

    Post Show!!!!

  2. silvestretg Says:

    Grande Gustavo, os vinho portugueses são encantadores, mostrando em cada região características próprias. Estive por estes dias a oportunidade de participar em uma palestra com Paulo Laureano aonde ele expressa http://www.vivendoavida.net/?p=14562 muito bem isso.
    Parabéns pelo blog, escreva mais, vou provar a sua dica e te falo depois a minha opinião…

    Abs e saúde

  3. jose guilherme Says:

    prezado sr. gustavo,

    adorei este vinho que vc sugeriu.

    abs

Deixe uma resposta para Marcelo Costa Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: